Carta da Diretora Gabriela Fernandes Revista STYLING TIP MAG
(Foto: Carla Czetmer)

Hoje, como de costume, acordei 6h30 da manhã, estava chovendo e bateu aquela preguicinha de ir pra academia, me permiti faltar, só hoje! Rs. Tomei meu café e sentei no lugar que eu mais tenho passado meu tempo, meu home office, que por sinal fica no meu quarto mesmo. Isso era em torno de umas 7h30 e comecei a trabalhar em uns projetos do ST, como tenho prazo pra eles, fui fazendo, planejando, criando, escrevendo, elaborando, diagramando e quando vi já eram 19h!!!

Sai do meu casulo e fui comer alguma coisa para novamente sentar aqui e escrever para vocês. Agora eu te pergunto, o que faz uma pessoa ficar trabalhando 12h seguidas? 12h até agora, né? Acho que hoje o expediente será até mais tarde!

Quando coloquei a Carta da Diretora na pauta dessa semana, estava pensando em escrever para vocês sobre profissão, algum tema que eu ainda não sabia qual seria, mas agora eu sei!

Já trabalhei em outros lugares, já senti amor e ódio dessa profissão. Em um escritório chique da Oscar Freire já passei bons bocados, era estagiária, cuidava da produção das peças, às vezes ia pra loja atender e, lógico, servia cafézinho pra chefe. Já dei aulas de passarela para adultos, adolescentes e crianças e já ouvi muita reclamação dos pais dos modelos da agência, mas eu era apenas professora, dei o meu melhor. 12h de trabalho é fichinha perto de 48h seguidas na produção de um desfile. Já participei de reuniões que não levaram a nada, quem nunca?

Mas aí você deve estar falando “nossa Gabi você realmente ama Moda, sempre quis fazer isso!” e a minha resposta é, não! Sempre quis fazer faculdade de Moda sim, mas bastou o primeiro semestre para eu entender que sonho era bem diferente de realidade.

Sonhava em ser estilista, mas a minha realidade era a nota média na matéria de desenho. Que decepção! Meu sonho era apresentar uma coleção no SPFW, mas a minha realidade era que eu não sabia nem o que era Dior, Yves Saint Laurent, Givenchy, entre outros. Meu caderno da faculdade tinha várias palavras e nomes soltos, eu fingia entender, mas anotava tudo o que ouvia e ia pesquisar no Google quando chegava em casa.

Pensei em desistir? Óbvio! Quando terminei o 1º ano estava decidida que iria mudar de curso. Publicidade e propaganda ou Jornalismo, eram as minhas principais opções. Mas aí eu pensei, pensei e pensei e não desisti.

Passei três anos da Faculdade me sentindo meio que “um peixinho fora d’água”. Eu gostava de várias coisas, de várias matérias, sempre me dediquei muito, tirava as melhores notas, mas nada fazia o meu olho brilhar de verdade. Eu aprendi a desenhar, aprendi história da Moda, conheci os nomes famosos do mundo fashion, aprendi a modelar, costurar e eu adorava tudo isso, mas não conseguia fazer nada disso por mais de 2h.

Quando tudo mudou? No TCC, sim, só no último ano. Eu estava diante de um tema complexo e precisava pesquisar muito, estudar muito, escrever muito, todos os “muitos” que existe! Surtei? Com certeza, mas finalmente me senti realizada, meus olhos brilhavam para minha monografia de quase 300 páginas, pro meu book, pra minha coleção, pro meu editorial! Tive a maior sorte do mundo com a minha dupla de TCC, dividimos todo o trabalho e sim, tiramos 10 na banca!

Agora porquê eu estou falando tudo isso? Porque eu vejo que anda faltando brilho nos olhos das pessoas. Amor pelo o que faz. Quando terminei a faculdade ainda trabalhava em um ambiente que não fazia os meus olhos brilharem, eu contava os minutos para ir embora daquele lugar que já estava fazendo mal para mim e eu só tive a coragem de jogar tudo pro alto porque estava confiante, meu TCC me deu muita confiança, me mostrou que eu era capaz de fazer tudo o que eu quisesse e sonhava.

E você, se identifica com alguma situação? Ainda não sentiu seus olhos brilharem por nada? Não desista, eu demorei quase 4 anos para perceber o que eu realmente gostava! Hoje faz todo o sentido aquela frase “Os nossos planos não são os planos de Deus” e eu acredito que Ele sempre tem coisas muito maiores do que nós imaginamos.

Perdoem o textão, eu poderia escrever páginas e páginas e sabe por quê? Porque eu amo isso aqui! Não vou ser hipócrita e falar que eu adoro trabalhar 12h seguidas, por que eu estaria mentindo, mas hoje o dia pediu e eu não tenho preguiça de trabalhar! Rs.

 É isso, um beijo e até mês que vem!

Assinatura Gabi FernandesDiretora
gabrielajsfernandes@gmail.com.br
@gabijfernandes

 

Deixe uma resposta